Musculação, Artigos Científicos, Cursos, Eventos e Video-aulas
PESQUISAR:

  PROCURAR

Artigo comentadoArtigo original

TREINAMENTO RESISTIDO DINÂMICO ISOLADO COMO TRATAMENTO DE ESTILO DE VIDA PARA A HIPERTENSÃO ARTERIAL – UMA METANÁLISE.

Hayley V. MacDonald, PhD; Blair T. Johnson, PhD; Tania B. Huedo-Medina, PhD; Jill Livingston, MLS; Kym C. Forsyth, BSc;William J. Kraemer, PhD; Paulo T.V. Farinatti, PhD; Linda S. Pescatello, Ph.

J Am Heart Assoc. 2016;5:e003231 doi: 10.1161/JAHA.116.003231)

 COMENTÁRIOS – Prof. Dr. José Maria Santarem

No passado recente o treinamento resistido (TR) foi contra indicado para hipertensos com base em três hipóteses: o TR poderia produzir elevações perigosas da pressão arterial; o TR poderia agravar a remodelação adversa do miocárdio produzida pela doença; o TR não seria eficiente para reduzir a pressão arterial de repouso em hipertensos. A prudência diante dessas hipóteses, mas também a convicção dominante na época no sentido de que os exercícios aeróbicos eram os únicos promotores de saúde, levaram associações médicas a condenarem o TR para hipertensos.

 Com o passar do tempo, evidências em contrário a essas hipóteses foram se acumulando na literatura científica. Assim sendo, verificou-se que as elevações acentuadas da pressão arterial somente ocorrem no TR na situação de esforços máximos, com contrações musculares concêntricas quase isométricas e apnéia. Esse tipo de esforço somente ocorre em atletas de força, em competições de levantamento de peso e no treinamento dessas modalidades esportivas. O TR habitual, visando hipertrofia e força musculares, não necessita desse tipo de esforço.

No aspecto da remodelação do miocárdio, verificou-se que a hipertrofia induzida pelo TR é fisiológica, sem efeitos adversos para a saúde; além disso, somente ocorre em atletas com grandes volumes e intensidades de treinamento, o que não é frequente no TR habitual. Nenhuma evidência associou as adaptações cardíacas do TR com agravamento da doença hipertensiva. Alguma confusão tem ocorrido nesse aspecto pela utilização inadequada da expressão “hipertrofia concêntrica do miocárdio”. Essa denominação se refere a uma alteração patológica produzida pela própria hipertensão arterial crônica e por doenças como a cardiomiopatia hipertrófica e patologia valvar. Alguns autores utilizam essa denominação para fazer referência às adaptações fisiológicas do coração induzidas pelo TR intenso, o que é incorreto. No TR ocorre hipertrofia cardíaca, mas sem redução dos volumes das câmaras, sem aumentar a ocorrência de necrose e fibrose e nunca evoluindo para a insuficiência cardíaca.

No que diz respeito à redução da pressão arterial de repouso induzida por exercícios em pessoas hipertensas, evidências mais recentes demonstraram que o TR também tem esse efeito, embora menos acentuado do que os exercícios aeróbicos. Assim, diante das evidências disponíveis, as associações médicas passaram a aceitar o TR como parte dos programas para a saúde, mas muito mais em função dos seus benefícios para evitar ou tratar as doenças e disfunções musculoesqueléticas do que pelos seus efeitos promotores de saúde cardiovascular, incluindo o tratamento da hipertensão arterial sistêmica.

Algumas evidências recentes têm indicado que o TR talvez seja o mais eficiente tipo de exercícios para estimular a produção de miocinas, as substâncias anti-inflamatórias produzidas pelo músculo esquelético em atividade, evitando assim a aterosclerose e consequentemente as doenças cardiovasculares.

Esta revisão de literatura utilizou técnicas sofisticadas de análise estatística e selecionou 64 trabalhos, com um total de 2.374 participantes, que estudaram o efeito redutor de pressão arterial de repouso do TR não associado com outras formas de exercício em pessoas hipertensas. Apenas 15% dos participantes utilizavam medicamentos anti-hipertensivos, embora 33% dos trabalhos não tivessem essa informação. A maioria dos estudos teve a duração entre 4 e 6 meses, três sessões semanais com cerca de 8 exercícios e aproximadamente 3 séries de 10 a 12 repetições por exercício com cargas próximas a 70% de 1 RM.

Como resultados gerais, o TR isolado reduziu a pressão arterial de repouso nos mesmos níveis dos obtidos com exercícios aeróbicos em outras revisões ou de forma mais acentuada. Os resultados hipotensores foram maiores do que os previamente reportados para os exercícios aeróbicos principalmente nas pessoas com hipertensão mais acentuada, nos hispânicos-latinos, asiáticos e afrodescendentes, e nos que treinaram mais do que três vezes por semana. Nesses casos os efeitos hipotensores chegaram a ser o dobro dos reportados para exercícios aeróbicos.

Este trabalho é um marco no conhecimento sobre efeitos hipotensores dos exercícios e deve influenciar decisivamente as recomendações de atividade física para prevenir e tratar a hipertensão arterial. O que se espera é que as associações médicas passem a considerar o TR isolado como eficiente e recomendável para o controle da doença hipertensiva arterial.

 

Metodologia, tabelas, gráficos e bibliografia encontram-se no artigo original.

 

publicidade
publicidade